24 de jan de 2010

Despejo

Acabo de chegar de mais um show que a prefeitura da capital organiza, num festival chamado de Estação Nordeste. Desta vez tive a oportunidade de ver Beto Brito e uma festa muito empolgante dirigido por Daniela Mercury. Mas apesar da energia positiva, das palavras muito bem colocadas tanto pelo paraibano Beto Brito como pela bahiana Daniela, o que chamou a atenção foi a cara de aflição dos vendedores ambulantes, que procuravam clientes ao tempo em que se escondiam dos funcionários publicos municipais que receberam a determinação de varrer todo e qualquer trabalhador do meio do povo.

Até pouco tempo, de fato, me sentia incomodado com tantos carrinhos de cerveja andando de lá para cá, dividindo espaço com as outras pessoas que procuravam se divertir.

O fato é que, delimitando um pequeno espaço, fora da multidão, para os vendedores, tanto a própria multidão, quanto os ambulantes ficam bastante projudicados. Um por nao ter opção de adquirir suas bebidas no espaço onde estão e o outro por ter que dividir os poucos compradores que se aventuram em sair dos seus lugares com dezenas de outros concorrentes.

De quem veio essa determinação? Será que os ambulantes e nós consumidores fomos consultados a respeito?

Enquanto isso, ficamos a revelia de mandos e desmandos dos que acham que podem tudo, inclusive trair a confiança de uma multidão!

Um comentário:

lili disse...

Nem fale disso meu amigo. Logo eu que trabalho cadastrando esse pessoal. Olhe, devo confessar que fico de coração partido com esse trabalho, pois todos os anos eu ouço as mesas reclamações e não posso fazer nada.