19 de fev de 2010

10 por dia


Mais uma contra os estudantes na capital paraibana.


Na verdade, essa é antiga, eu é que sou desinformado e só descobri hoje, e da pior maneira possível.


Não bastasse terem surrupiado nosso direito de estudante (Direito! Não é favor, não!) de pagamento de meias-passagens nos ônibus municipais, transferindo a identificação da carteirinha estudantil propriamente dita, para o cartão de passe, com foto, inibindo sua possível utilização por outro estudante, já que mesmo apresentando a carteira (que nos daria, outrora, o direito ao desconto de 50%), o cobrador é orientado a não permitir a nossa passagem, mesmo depois disso, descobri, de uma forma um tanto quanto constrangedora, que só tenho direito a 10 (dez) passagens por dia.


Lá estava eu, perto das 22h30, num local esquisito, esperando o “busão”. Ele passa, eu o apanho e, na hora da carteirada, a maquineta, cheia de seus mistérios, me impede de passar. Tentei várias vezes até que o cobrador, muito educadamente, me informou que minha cota de dez passagens havia sido ultrapassada.


- Ah! E agora, seu prefeito? O que faço numa hora dessas? Nem posso contar as moedinhas, por que não as tenho aqui, comigo. Então? Como faço pra chegar em casa? Vou à pé?


Essas perguntas tive vontade de fazer, mas como? O homem certamente estaria dormindo àquela altura!


Bem! Mesmo não tendo como fazê-las, fiquei indignado. Outras vezes também fui impedido de passar pela roleta. Tive a infelicidade de pegar o mesmo ônibus e, também ai, o bilhete não me permitiu passar. Vejam! Não posso pegar o mesmo ônibus duas vezes até que ele vá ao terminal e “zere” o contador. Dessa eu já sabia. Eu até imaginei que não pudesse. Se eu não posso emprestar meu cartão a outro estudante, certamente ele seria bloqueado para passar duas ou mais vezes na mesma catraca e na mesma hora.


Mas, voltando ao episódio desta noite, por sorte, um senhor, que pegou o mesmo ônibus que eu, passou o seu cartão de vale (Vale Legal). Eles, o senhor e o seu cartão, foram os salvadores da noite e devo à eles o fato de o constrangimento nem ter sido tão grande. Pelo menos com o Vale Legal tudo pode.


Do jeito que está o estudante terá que se limitar a ir e voltar da escola ou universidade para casa. Sendo assim, não poderá se dar ao luxo de cursar em dois expedientes distintos, trabalhar ou estagiar, se para cada uma locomoção tiver que pegar ônibus, integrar, se os destinos forem muito distantes.


Agora, ter se aliado ao ex-governador e ao senador os quais tanto combatia e aos empresários do transporte público que tanto denunciou, não necessariamente passa por retirar direitos dos estudantes, né?

5 comentários:

Alan disse...

O limite é informado no site da prefeitura. Veja o slide 16 em http://bit.ly/cQrmmZ

George Martins disse...

postar virus eh pior q caçar direitos

pqp

Anônimo disse...

Que vírus? O link é para o site da prefeitura.

lili disse...

Poxa, não sabia dessas limitações... Caramba, Esse prefeito não dá uma dentro. Credo... Ainda bem que pessoas como você nos informam dessas barbaries. E ainda querem incentivar os estudantes... Será que limitando o seu direito de ir e vir seria o melhor caminho?

Anônimo disse...

Pois é, George.

Essa galera não brinca em serviço. Aproveitando teu relato, também tenho um. No início do ano, quando o prefeito e cia. ltda aumentou a tarifa dos onibus de jampa, não sei se vc percebeu, mas quem carregou o cartão antes do aumento pagou já no primeiro dia de serviço o valor da nova tarifa. Como fui um destes que teve o cartão cobrado pela nova tarifa, mesmo tendo carregado o cartão antes do aumento, fiquei muito puto, obviamente. Conversei com alguns colegas e todos me relataram que tb seus cartões estavam sendo descontados pelo valor da nova tarifa e não da anterior, mesmo tendo carregado seus cartões antes do aumento. Como resultado, e muito puto como já disse, me mandei pra STTRANS e fiz a denuncia junto a Adalberto, o supertintendente de transporte. Ele me comunicou que a cobrança era inadaqueda e ia ver o que estava acontecendo. No final das contas, registrei a ocorrência no próprio órgão e aguardei o resultado nos dias seguintes. E realmente funcionou, no outro dia o cartão já estava cobrando o valor da tarifa anterior, para quem havia colocado créditos durante vigência da tarifa antiga. Agora, mesmo tendo ficado satisfeito com a eficiência da Sttrans após a denúncia, imagina quanto as empresas faturaram só nestes dois primeiros dias, com esta manipulação da máquina-registradora de seus ônibus. Afinal, a nova tarifa estava sendo cobrada para estudantes e passageiros que pagam inteiras.
No final das contas, é isto mesmo: ou a gente fica ligado no que estes caras andam fazendo, ou a gente sempre pagará o pato. Quanto ao teu relato, valeu pelo toque e já estou comunicando aos colegas sobre mais esta sacanagem das empresas de ônibus de Jampa e o prefeito da cidade.

Abraço, Lenilson.