22 de fev de 2010

Eu tenho medo!

Oito anos depois de Regina Duarte tentar apavorar os brasileiros durante a campanha eleitoral para presidente em 2002, que naquele momento já rejeitavam o FHC e o governo do PSDB, criando mitos sobre o que Lula poderia fazer com o país como acabar com a estabilidade e o controle de inflação, chegou a nossa vez de alertar as pessoas para o medo que temos do país voltar às mãos de quem o levou ao fundo do poço quando teve a oportunidade de governá-lo, e diferente de 2002, hoje temos medo porque temos uma experiência real com eles no poder para fazer nossas avaliações e não apenas especulações, como Regina fez:

Eu tenho medo da desativação gradativa dos programas sociais;
Eu tenho medo do sucateamento das estatais com a intenção de privatizá-las;
Eu tenho medo da falta de planejamento que já levou o país a um apagão energético.
Eu tenho medo das políticas econômicas equivocadas que fizeram o país quebrar tres vezes;
Eu tenho medo da concentração ainda maior dos meios de comunicação;
Eu tenho medo da ascenção ao poder da direita reacionária que está por trás do PSDB;
Eu tenho medo de gente que reescreve a história tentando igualar torturadores assassinos e vítimas;
Eu tenho medo da volta da política de desvalorização do funcionário público;
Eu tenho medo de voltar a ser governado pelos Daniel Dantas da vida;
Eu tenho medo da falta de incentivo que fez quebrar setores produtivos do país;
Eu tenho medo da volta do neoliberalismo que concentra renda e aumenta a pobreza;
Eu tenho medo do retrocesso nos avanços do Prouni e cotas raciais;
Eu tenho medo de voltarem a tratar os sem-terra como em Eldorado de Carajás;
Eu tenho medo de entregar a chave do cofre para aliados do Arruda, da Yeda, do Richa…;
Eu tenho medo da Polícia Federal voltar a ficar amarrada sem combater colarinho branco;
Eu tenho medo do país voltar a ser coadjuvante no cenário internacional;
Eu tenho medo de ser governado com quem não dialoga com setores da sociedade;
Eu tenho medo de quem manda a polícia bater em manifestante e estudante;
Eu tenho medo da volta dos salários de fome e da escassez de empregos;
Eu tenho medo do retorno dos incompetentes protegidos pela mídia chapa branca;
Eu tenho medo de voltar a ter um presidente que governa para os ricos e não fala a língua dos mais necessitados

Autora: Angela Maria Fernandes
Fonte:
Mobilização BR

5 comentários:

Erick de Almeida disse...

George, você trata política de forma muito panfletária! O governo Lula tá longe de ser um governo de esquerda. O PT e Lula não tem mais o direito de se esconder atrás desse discusso sindicalista, acusando todos que não fazem parte do projeto político do PT de Direita reacionária. Acredito que o PT e o PSDB poderiam fimar definitivamente uma aliança politica em torno de um unico nome para a presidencia da republica. Afinal, Lula contratou Duda mendonça, vestiu o terno e não fez nada que prometeu... Reforma tributária, reforma agrária, reforma da previdencia, revolução na educação, cade? e reforma politica? cade? Não fez nada de revolucionário para mudar o caos politico e o caos nas gestões publicas? Ainda temos pessimas escolas publicas, sistemas SUS falido, universidade um pouco menos sucateada, porém cade a revolução?

É verdade que vemos alguns beneficios mais proximos de nós nordestinos... Porém, concreto e estrada não faz a revolução que nos esperávamos de Lula. Gostaria que as pessoas tratassem de política com os pés no chão e com mais racionalidade e mesnos paixão. Sou contra a esse "endeusamento" do governo Lula, e demonização do governo FHC, ambos tem seus graves defeitos e ambos tem alguns pontos a favor. Sim! Lula teve mais pontos a favor que o governo FHC, porém!!!! não foi a revolução que vocês dizem ser!

Bem, entre Serra e Dilma, voto em Dilma, no segundo turno. sem nenhuma empolgação, e sim com resignação, e sabendo que temos outras alternativas bem melhores.

George Martins disse...

acho q vc é q é septico demais,Erick

dizer q o governo Lula nao fez nada é esquecer do q tínhamos em 2001/2002 nos cefets, q por sinal tinham um modelo muito bom d educação até o decreto-facada q acabou com a cara dos cefets em termos de educação profissional.
é esquecer que FHC por pouco nao convenceu a sociedade d q as universidades federais deveriam ser vendidas por q nao serviam pra nada.
Ou nao foi Lula q reinvestiu nelas, abriu novos campi, contratou pessoal, melhorou a cara e os labs?

Erick, meu caro. Nao esperávamos a revolução com Lula, até por q vc jah deve me ter ouvido falar q não há revolução pelas vias eleitorai. Nunca haverá. Entenda q a sociedade deu Lula como presidente e elegeu mais da metade do Brasil d governadores e prefeitos contra um projeto político de cunho socialista ou perto disso.

Todavia, também lembro q, dentro ou fora do PT e dos partidos de esquerda, nunca foi dito q o governo Lula era socialista, nem os radicais do PT afirmam essa hipótese, assim como socialistas e comunistas do mundo todo nao chegam a um consenso em relação ao comunismo de Cuba. Tudo eh uma questão de contexto e interpretação.

O q nao dá pra negar eh q, os meios podem estar muito parecidos, mas a finalidade é outra. O compromisso do governo Lula foi um, o de Dilma seguirá na mesma linha, mas o do PSDB é outro completamente diferente. Não dá pra comparar, meu querido, felizmente!

Agora, se vc tem outra alternativa, apresente! Mas apresente uma consistente, não me traga um ex-ministro da educação que criou Lula enqto foi do PT e nenhuma ex-senadora, q, por um projeto pessoal (tal qual RC), deixou sua vaga no senado pro ex-presidente Collor!

Abraços!

David disse...

Se política, ao menos neste canal, contempla o debate de idéias, como não adquirir um carater "planfletário"? Por que razão ninguém chama de planfletário o discurso da grande imprensa que mal noticiou a cassação do prefeito de São Paulo do Dem? Respondo: por postura política. Não se trata de discurso sindicalista (corporativo) mas, de governar com inversão de prioridades. Sei que o governo do presidente Lula poderia ser bem mais avançado, mas, avançado do ponto de vista dos pobres. Toda crítica ao governo Lula deve ser feita à esquerda, essas são cabíveis aos que são DEMOTUCANOS. Agora, quem consegue achar que a revolução (social e/ou política) acontece a partir de uma eleição não conhece a história de Salvador Allende entre 1970 e 1973. Bem, sem contar que o Lula e sua corrente interna ao PT (que controla mais de 50% do partido) não se afirmam revolucionários faz muito tempo. Bem, o fato, pelo menos do ponto de vista de um mero cientista social, é que o governo de qualquer Estado burguês refletirá a real correlação de forças na sociedade.

O que o pensamento de classe média não consegue entender é que a grande polarização na sociedade brasileira se dá atualmente entre pensamento neoliberal e neodesenvolvimentista. O neoliberal, ainda que não esteja no governo federal, ainda é hegemônico na sociedade. O neodesenvolvimentista congrega a agenda cepalina (da CEPAL de atuação do Estado na econonia, assim como defendia Keynes) com preocupaçõees com políticas sociais. A diferença entre os dois é gritante. Do investimento em infraestrutura, passando por ampliação em políticas sociais (não é só bolsa família, é também mais vagas e expansão da rede federal de educação, por exemplo) até chegar à concursos públicos. Sim! Se você conhece alguém que passou num concurso público pode avisar que sua capacidade e competência nada valeriam no governo do PSDB/DEM. Das alternativas à diretia não precisamos (é o caso do PV que cogita colocar Marina na vice de Serra) e as que estão à esquerda do PT, muito infelizmente, não conseguem nem arranhar na luta política realmente existente e tornam-se guetos. Nisto, não cito HH e PSOL que têm discurso neoudenista e moralista.

Sem contar com a política externa do Brasil, que no governo Lula dispensa comentários. Isso, para quem estiver informado, é claro. Ah! Quem lê a Veja e vê Jornal Nacional não se informa, a propósito.

Então, o que George escreveu não é nada sobre socialismo ou revolução, é sobre, antes de tudo, derrotar no conjunto da sociedade o modelo neoliberal, que se expressa no sucateamento e desmantelamento do Estado, na submissão do público ao privado, na lógica individualista e consumista. Contra isso, temos que ser planfletários quando for preciso. O importante, é a democracia como poder e soberania popular, o que não pode existir sob hegemonia neoliberal! Esse povo dá mesmo medo.

George Martins disse...

érick, e outros...
onde tem séptico, entenda cético

desculpe.

lili disse...

David, você disse tudo cara! E George, eu concordo com você!