20 de mai de 2017

Décadence sans élégance

Nem me dei conta. Meu filho nasceu e o mundo parou pra mim há exatos 5 meses e 15 dias. Prova disso é esse blog. Já não era atualizado a contento, mas, abrindo-o sem compromisso, vi que a ultima postagem era do final do ano.
Por sorte, o facebook me surpreendeu hoje com uma lembrança de um texto que publiquei há um ano. E é exatamente este texto que irei postar hoje, aqui.
Então, fiquem a vontade. Ao final, tem um link do texto que li e que gerou esse texto que escrevi.
Divirtam-se!

Segue o texto:


Se, não sendo tendências, fossem alternativas, os dilemas colocados no texto compartilhado que podem representar a fase por que passam as bandas de rock dos anos 80, estariam expressos em: " suas carreiras começaram a entrar em declínio por não conseguirem se reinventar diante da mudança de cenário social e político. De contemporâneos tornaram-se extemporâneos".
Na verdade, fui, e às vezes ainda sou, muito fechado para a ideia de novas bandas, ou novas propostas de composição para bandas de rock a partir dos anos 90.
Contudo, encaro que as minhas pararam no tempo, realmente.
Já analisei, pensando comigo mesmo, e querendo escrever para o CidadãoSilva, que os jovens que viveram de Xuxa aos programas infantis de até 2 anos atrás (visto que hoje foram totalmente descartados pelas tevês abertas), e não sentiram os efeitos de um regime ditatorial militar, nem na pele (pros que nasceram durante), nem nas consequências de um tempo que chegou ainda muito cedo (para os que nasceram nos anos 80 até a metade daquela década), não seriam dotados de criticidade o suficiente para escrever letras que mexiam com a cabeça de qualquer um adolescente inquieto com os desmandes que a superestrutura (poder econômico tendo nas mãos os governos e a justiça) causava. Nem escrever e nem entender o que as canções queriam dizer.
Acho que a conjuntura melhor abordada, a partir dos anos 90, estão nas composições de O Rappa, no tocante à violência desmedida, que vitimou, inclusive, um de seus integrantes. Com o avanço da tecnologia e a chegada do novo milênio, a "mass-midia" passou a ditar o que podia ser escrito, e o que devia ser vendido.
Contudo, as bandas de rock dos anos 80, nossos heróis, parecem ter morrido de overdose, ou entraram num estado de êxtase profundo e não conseguiram mais nem entender a nova juventude, nem serem entendidos por ela.
O resultado? Ou se refazer (acústicos), ou se desfazer, ou se vender. E isso aconteceu, necessariamente, nesta ordem.
Leia o texto do link a seguir. É indispensável.

31 de dez de 2016

Mensagem de final de ano

http://www.estacaodanoticia.com/main/wp-content/uploads/2016/01/Ju-isen-musa-protestos.jpg
Foto retirada de:
http://estacaodanoticia.com/main/wp-content/uploads/2016/01/Ju-isen-musa-protestos.jpg

O Cidadão Silva deseja muita força, perspicácia e sorte no ano vindouro a todos aqueles brasileiros que serão afetados, de alguma forma, pelas duras medidas de um governo golpista, elevado à condição de tal, exclusivamente para promover o aperto no bolso da população mais massacrada do país e aliviar as contas dos patrões.

Mas o redator deste blog não é vingativo, como o é a classe média, e deseja a todos aqueles que inflaram bonecos, pintaram rostos de verdamarelo, que ensaiaram dancinha e que bradaram contra a corrupção dos outros que, em 2017, não se sintam verdadeiros idiotas quando perceberem que também pagarão o pato da FIESP, que verde e amarelo, ao contrário do vermelho e do preto, não significam cores de luta, mas cores de uma bandeira suja, de um país sujo, com um passado obscuro e um futuro incerto, que os passinhos vindos do Ceará não enobreceram as manifestações patrocinadas pelos grandes empresários da mídia nacional, mas as deixaram mais ridículas, e que a corrupção é um mal que deve ser tratado, mas, tal como uma doença grave, se não for tratada como um todo, digo, se só a corrupção de um for eliminada, a corrupção do outro vai consumir todos os neurônios de quem pediu intervenção militar e apanhou da PM enquanto fazia isso.

O blogueiro também espera que você, que foi pato, que se coloriu, que dançou (e que vai dançar ainda mais em 2017 e até 2038) e até aqueles que bateram panelas nas sacadas dos apartamentos comprados a vista com dinheiro de propina ou financiado por um programa de governo, que perceba que o Brasil não está quebrado. A nação estava em fase de crescimento acelerado e adquiriu dividas, assim como você mesmo fez quando viu um tostão a mais no final do mês. E isso é normal. Se endividar é normal quando a dívida é revestida em benefícios para a própria nação, como também foi normal quando você adquiriu bens, serviços e mais conforto para sua família.

Mas, se você não acredita que o Brasil não estava quebrado, pelo menos seja corajoso o suficiente para se perguntar, mesmo que escondido, no banheiro, por que o tenebroso governo da ordem e do progresso anistia dívidas de pessoas físicas de até R$ 1 milhão; por que este governo não discute a volta da CPMF, aquele imposto que é cobrado de acordo com a movimentação bancária – quem movimenta mais, paga mais – e propõe elevar a cobrança sobre o ISS (ai o pobre de direita fica sem argumentos para defender o Governo: qual pobre tem dívida ativa de R$ 1 milhão para ser perdoada e qual pobre movimenta milhões e milhões para ter uma perda tão grande nas suas contas bancárias?).

Se isso ainda não for suficiente, e se o pais realmente necessita de injeções de dinheiro, o que dizer da venda do campo de exploração do pré-sal de Carcará, que tinha valor estimado em mais de U$ 28,6 bilhões, por meros U$ 2,5 bi? Só lembrando que a sigla U$ tem cotação maior que a R$, para os desavisados e/ou displicentes.

Convencido? Não?

Então, como ficam as contas de um país falido com um acordo de perdão de uma dívida de R$ 20 bilhões das empresas de telecomunicação, mas que, segundo auditoria do TCU, passa dos R$ 100 bi, somados a cessão de outros R$ 20 bilhões em patrimônio que deveria retornar aos cofres dá União em 2025.

Logico que não vou citar o aumento do judiciário, a elevação de gastos com publicidade, uma vez que os dados são muitos e o máximo que o Cidadão Silva pode fazer, por você, é indicar onde pesquisar.

No final, este blog deseja que os neo-consciente-politicamente, os pobres de direita (mito) e os cães-raivosos-medioclassistas esqueçam o discurso da anti-corrupção, uma vez que a praticam também, e pensem na coletividade; esqueçam que meritocracia, os doendes do jardim da casa de Xuxa e Papai Noel só existem para uns poucos privilegiados; e percebam, de uma vez por todas, que não há aumento do poder aquisitivo, melhoria dá condição social, da educação e da saúde e mais acesso à cultura que não passem pelo crivo de uma coisa chamada POLÍTICA PÚBLICA. E que essa política pública é feita por políticos. E que políticos são eleitos e dispensados em ciclos de 4 ou 8 anos. Todo o resto, todo mesmo, é apenas uma questão de consciência ou de hipocrisia.


Feliz Ano Novo a todos!

1 de set de 2016

Nação de Zumbis

Já não existem mais forças para digitar palavras. Nem palavras que formem linhas e frases. Nem frases que formem textos. Ou textos que formem um artigo.
Não existe mais vontade de ser cidadão, numa nação que não respeita ninguém que pense diferente.
Não existe mais vontade de votar. Afinal, votar pra quê?
Se Deus era brasileiro, deve estar tão envergonhado com tanta esculhambação em Seu nome que, muito provavelmente, e por ser onipresente, já mudou de nacionalidade faz tempo.
Os idiotas são muitos. E contra eles não se pode lutar.
Quando um trabalhador se juntava ao coro do patrão na intenção de, cada vez mais, retirar a voz do seu companheiro, por maucaratismo, ainda havia esperança. Hoje, eles não são mais bajuladores, eles acreditam realmente no que estão fazendo. E, realmente, contra a idiotice, não se pode lutar.
O Estado é de exceção. Quem for negro, mesmo que seja rico, sofrerá na pele. Quem for miserável, mesmo que branco, sofrerá na pele. Os homossexuais já sofrem na pele e sofrerão ainda mais. Mulheres? E se você não serve a nenhum senhor e a nenhuma igreja, cuidado!
De certo que a luta armada seria a única alternativa, uma vez que já não há democracia. Mas ouse levantar uma foice ou um martelo contra um Estado militarizado, tomado por uma justiça que só enxerga o que quer e por uma multidão de zumbis que sabem que, diante de uma faca empunhada, os disparos de suas pistolas ponto 40 e espingardas calibre 12 servirão de atenuante no processo que responderão por ter agido em legítima defesa.
A história se repete. Mudam apenas o figurino e cenário.
A arma da democracia perdeu seu efeito imobilizador. Votar?
A superestrutura não perdoa ninguém que ouse tentar abalar seus alicerces.
Vai ver, é por medo dela, que tantos imbecis bestializados decidiram tomar partido e ficaram do lado de lá. Estão na zona de conforto. Mas não sabem o que lhes espera.
Se é pra ser assim, amém?

22 de jun de 2016

Sobre nós

Já havia comentado aqui, neste blog, da nova onda de consciência política que emplacou as mentes dos brasileiros, em especial, desde quando o gigante acordou, em junho de 2013.

Lembro que, até então, discutir política era coisa de filiado, e apenas filiados de partidos de esquerda, ou, quando muito, universitários de humanas, principalmente bacharelandos em ciências sociais.

Obvio que há uma contribuição enorme da grande mídia burguesa, que percebeu a oportunidade de inflamar corações valentes a irem às ruas questionar todo o sistema político, a corrupção e cobrar a alternância de governo (se me permitem, essa chamada, claro, é um atestado de insatisfação dos tais setores conservadores da sociedade com o sistema político do PT, a corrupção do PT e pela alternância de governo, desde que se tire, a qualquer custo, o PT de lá).

O que acontece é que a vontade de demonstrar conhecimento total sobre os rumos políticos do país é tão grande que muitos brasileiros conseguem passar vergonha e ainda estufam o peito, cheios de certeza do que nunca quiseram tomar nota. A vergonha alheia vem de todos os lados, dos defensores da democracia e dos defensores da democracia que não contenha petistas.

Virou briga de torcida organizada. Lembra um Botafogo-PB x Campinense, com direito a achincalhe e pontapés.

Mas há outro fenômeno ainda mais perigoso: os tons de vozes que se voltam contra o governo. E não falo apenas no governo em nível federal. Penso nas outras duas esferas: estadual e municipal. Chegam a ser ridículos os ‘memes’ de gestores e gestões, as cobranças das oposições, as piadas dos eleitores do outro candidato derrotado, que se fazem a este ou aquele evento.
Perceba, no plano local (Estado da Paraíba e sua capital), focando no caso da Lagoa do Parque Sólon de Lucena.

É um local/equipamento público fundamental para os pessoenses e para os paraibanos. Precisava de uma intervenção pública urgente. E foi feita. Mas não durou dois dias pós inauguração para que as fábricas de intrigas soltassem seus apelos publicitários contra a imagem do gestor municipal.

Não quero aqui fazer a defesa do prefeito Luciano Cartaxo. Acho, inclusive, que ele perdeu a grande oportunidade de entrar para história local, fazendo uma gestão sem água nem sal, pífia. Mas a Lagoa, a Lagoa merecia passar pelo que passou.

Claro que venderam um peixe grande para nós e entregaram uma piaba, fazendo um comparativo entre o projeto apresentado e o que foi executado. Mas daí condenar que a reforma daquele espaço não tem seu valor é irresponsável.

Na verdade, essa briga, até tempos atrás era feita apenas entre os grandes nomes dos partidos políticos, como disse mais acima. Faz parte da disputa eleitoral, de cooptação de votos. Mas hoje são os cidadãos comuns que fazem essa guerrinha.

Eu, este desconhecido redator deste portal mal acessado, particularmente, sempre tive vontade de ver uma ampla reforma na Lagoa. Era um sonho. Vivi minha infância entre os Parques Sólon de Lucena e Arruda Câmara, que nós aqui chamamos de Bica. E ela, a reforma, foi feita.

Teve problemas? Sim, claro. Qual evento ou intervenção de espaço público, realizado por empresas privadas, que visam apenas lucro, não tem problema?

O ‘pier’ rachou? A tinta da ciclovia soltou com a primeira chuva? É culpa do gestor? Será?
O que vi hoje, passeando por ali, foram os funcionários da empresa que fez o serviço (ou parte dele) la´, realizando os devidos reparos na pista, depois de já terem reparado o ‘pier’. Faz parte do contrato. É garantia de serviço. E está certo.

Da nossa parte, denunciar e cobrar que se faça correto ou que se corrija o erro e pronto. É tudo o que precisamos fazer. As piadas, os ‘memes’ e as calunias, difamações, deixemos isso para os políticos profissionais e os nomes dos partidos da oposição, embora reconheça que as críticas, as cobranças, mesmo de forma agressiva, resultam em uma retratação, em forma de melhoria, de projetos que se fizeram sem pensar no conjunto da sociedade. Exemplo disso? A passagem de pedestre, ligando os bairros de Mangabeira e Bancários, no meio do chamado Trevo das Mangabeiras, pensada e construída somente após protestos ‘online’, ou as faixas de pedestres e sinais de transito colocado no anel externo da Lagoa, pensada também apenas após protestos e críticas.

Porém, e infelizmente, alguns equipamentos não têm conserto, por maior que seja o furo no ego dos nossos representantes, com as cobranças e pilherias. Alguém viu alguma melhoria no estádio Almeidão depois da grande reforma?


No final, para além do respeito ao gestor público, cobremos que se mude a forma de fazer política no Brasil, na Paraíba, em João Pessoa. Cobremos que cada gestor, cada secretário, cada funcionário público lembre, no dia-dia, que o cliente deles somos nós.

5 de mai de 2016

Que país é esse?

Foto: http://cabaredevirgem.com.br/imagens/2015/10/Renato-Russo.jpg
Não precisa ser um expert em música, e nem em sociedade, pra concordar com o que eu sempre digo: as músicas de antigamente são melhores, e não é em termos, como diria Renato Russo. Elas falam muito, tanto na composição melódica, como na criação de letras que ultrapassam gerações.

Vejamos a situação atual do nosso imenso Brasil. Digo a situação política. Relembremos, então, uma das músicas da Legião Urbana mais tocada por bandas de renome, e por bandinhas de aprendizes de guitarrista. O nome da música: Que país é esse? E note que, já no seu título, ela termina com uma interrogação.

Não é por acaso. Renato não estava afirmando, nem se alarmando com a situação do país décadas atrás. Mas ele repassou pra quem ouve a música, a obrigação de se questionar.

A música fala de tudo, da exploração dos brasileiros desde a colonização ou por parte dos patrões (conflito de classes?), mas, já nas primeiras linhas, ela trata daquilo que o Brasil mais combate atualmente: a corrupção.

                Nas favelas
                No senado
                Sujeira pra todo lado

É evidente que a sujeira de que tratou RR está revestida no velho jeitinho brasileiro de se dar bem, em qualquer situação, e, de preferência, passando por cima do outro, do da vez, do de a quem pertence por direito ou, de a quem é o direito. Nas filas de supermercado, nas vagas de estacionamento destinadas a pessoas portadores de necessidades especiais, na fila do posto de saúde, do banco, durante um flagrante de infração de transito, etc., etc., etc.

Mas, nos atenhamos a questão política mais puramente. Digo político-eleitoral. Alguém se atreveria a creditar, no cenário atual, a frase “Ninguém respeita a constituição”?

Dos últimos acontecimentos, de todo o processo por que passa a presidentA do Brasil, pelos vários entendimentos jurídicos, tanto a favor quanto contra, e a forma como foi e está sendo conduzido todo este processo, a banalização das leis, os atropelos de certos juízes (da Operação Lava-jato, por exemplo) para fazer valer a vontade de determinados grupos em detrimento do que deveriam salvaguardar (lembre-se do caso dos vazamentos, propositais, das interceptações telefônicas de Lula e Dilma, mesmo depois de a ordem judicial ter sido dada no sentido de cessar a operação de gravação das ligações), da demora dos Ministros do Supremo Tribunal Federal para julgar denúncias consideradas graves e urgentes pela Procuradoria-Geral da União, pela Condução Coercitiva e amplamente estampada pela mídia, com cumplicidade da própria Polícia Federal e da Justiça, de Lula para prestar depoimento (lembre-se também que esta semana, outro ex-presidente – FHC, foi convocado para prestar depoimento à PF, e, a este, foi conferida a prerrogativa de ex-presidente para a discrição do fato), UFA, CANSEI...

Obviamente que, como que num jogo de futebol, os torcedores do time de lá, não se importam se a forma de macular a imagem de Lula, ou a forma de retirar Dilma do Governo são legais ou legítimas. Importa apenas que sejam feitas. No mundo do futebol seria mais ou menos como vibrarem por um penalte marcado de forma irregular, ou um gol de mão ou impedido. Se foi pro seu time, é o que vale. E ai é que o trecho da música fica ainda mais emblemático numa sociedade que, de tão infame chega a ser escrota. Realmente, ninguém respeita a constituição – “Mas todos acreditam no futuro da Nação”.

Que país é esse?

E quando a banda toca o refrão, lá de baixo, o público, com a velha síndrome do vira-lata, grita: “é a porra do Brasil”.

Um Legionário (aquele que seguia a banda Legião Urbana) de verdade sabe que, se vivo fosse, Renato Russo, ao ouvir o público adulterar sua música de forma tão ridícula, pararia a música e soltaria os cachorros (com pedigree) pra cima deles.

E é até fácil de imaginar o que ele diria:

          - "Calma, gente. Se vocês continuarem acreditando que o país em que vivemos é isso mesmo, e se isso for verdade, então, o que estamos fazendo aqui?"

E continuaria:

          - "Respeitem a pátria em que vivem. Sintam orgulho dela. E façam o possível para que ela seja cada vez melhor. Pra vocês e pras gerações futuras."

Obvio que Renato poderia alterar uma ou outra parte desse meu raciocínio. Mas, se você viveu verdadeiramente a Legião Urbana, sabe que ele daria uma lição nos seus fãs.

Porém, como os tempos mudam, eu não duvidaria que Renato Russo também mudasse de opinião e de atitude. Afinal, se ninguém respeita a constituição, então, esse país pode ser, realmente, a porra do Brasil.




20 de abr de 2016

Por uma questão de méritos

Você evoluiu nos últimos dez anos. Sim! Sua renda aumentou. Você comprou carro, mesmo que financiado em 72x. Você tem moto. Já se deu ao luxo até de contratar uma diarista. Viajou até 2004 de ônibus pro Rio de Janeiro, mas fez questão de, desse período pra cá, só ir de avião. Deixou de tomar vinho carreteiro com a desculpa de que seu fígado não aguenta outro mais barato que Quinta do Morgado. Tem tablet e/ou notebook e celular de última geração e não vê a hora de lançarem a nova versão. Comprou casa ou apartamento. Tudo bem que foi com juros mais baixos e um subsídio até generoso. Entrou na universidade. Não importa se foi por cotas ou se é numa "paga". Entrou no serviço público (por concurso, claro) e ainda abriu seu próprio negócio.

E foi tudo, absolutamente tudo por mérito seu.

Mas. E o que aconteceu com sua mãe, seu pai, seu irmão ou primo mais velho? Eles também não lutaram o suficiente pra ter o que você tem hoje? O que os diferencia de você?

Foi tudo por mérito seu.

Seus professores do ensino fundamental, lá dos anos anteriores a 2005-2006, como sofriam com aluguel, transporte público e falta de tempo e dinheiro para se capacitarem mais. Lembra? Quase não havia mestres entre os professores do ensino médio? Nem na rede pública, nem nas privadas. Eram pessoas esforçadas, estudadas, batalhadoras. O que lhe diferencia deles?

Claro! Você chegou onde chegou por mérito.

‘Abigo’. Não existem chances pra quem vem da classe trabalhadora se não for através de políticas públicas. Olhe pra trás. Veja quantos mais inteligentes e batalhadores que você só tiveram chance  (se é que tiveram) agora, no mesmo período em que você está tendo chances.

Olhe, mas não pra muito longe.

Mas tenha a certeza de uma coisa. Mesmo que acredite fazer parte da elite, ou da nova classe média, nunca olharão pra você como parte deles. No máximo, vão lhe aturar em troca de sua cumplicidade.

Você nunca será bem-vindo nos lugares que eles frequentam. Se você for negro, então, mesmo que filho de médico, engenheiro ou qualquer outro portador de algum título dessa natureza, sempre olharão pra você com ressalvas. Se for branco, até se conformarão em lhe ter ao lado, mas não demorará muito e você sentirá (se é que não já sentiu) que haverá diferenças. Rirão de você sem que você perceba. Mas se comportarão como seus amigos, em troca da sua cumplicidade.

Mas, você chegou lá por mérito seu. É o que você acredita. E fará de tudo para ser aceito por eles, começando por negar as políticas públicas ou de inclusão que lhe colocaram onde você está, o que fará, por tabela, que numa perspectiva de um tempo não muito distante, outros, com muito mais méritos, inteligência e disposição pra batalha que você, não consigam chegar lá.

Agora que você chegou onde queria, que mudou de lado, e que tomou partido, responda no seu subconsciente: Se não for realmente por uma questão de políticas públicas, o que justifica os avanços dos últimos anos, em todos os campos, terem sido infinitamente superiores aos mais de 500 anos anteriores?

22 de out de 2015

Privatização de presídios transforma detentos em fonte de lucro, afirmam entidades

Organizações se posicionam contra projeto de lei que estabelece normas para a privatização de presídios; Segundo elas, as prisões privadas são mais caras e menos eficientes que as estaduais.
Por José Coutinho Júnior,
Do Brasil de Fato – Clique aqui

Apesar do grande número de pessoas presas no Brasil e das inúmeras violações de direitos humanos que caracterizam o sistema prisional, a privatização dos presídios não é a solução para sanar o problema, uma vez que o detento passa a ser um produto. "Não é preciso muito esforço para perceber que a partir do momento em que a prisão passa a ser fonte de lucro, o investimento neste setor requer um número cada vez maior de prisões e o aumento do tempo do cumprimento de penas", afirmam diversas entidades, em nota veiculada neste mês.
O documento foi divulgado em repúdio ao Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 513/2011, de autoria do senador Renan Calheiros (PMDB), que estabelece normas gerais para privatização do sistema prisional brasileiro por meio da contratação de parceria público-privada para construção e administração de estabelecimentos penais.
"Sem maiores disfarces, o artigo 9° do PLS determina que 'o concessionário será remunerado com base na disponibilidade de vagas do estabelecimento penal'", repudia a nota assinada pelo Núcleo Especializado de Situação Carcerária da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, a Pastoral Carcerária, o Instituto Terra Trabalho e Cidadania e o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.
A prisão de Ribeirão das Neves, em Minas Gerais, com 3336 vagas, foi a primeira inaugurada por meio de uma Parceiria Público Privada (PPP), em 2013, durante gestão de Aécio Neves. Uma das cláusulas dispõe sobre a “obrigação do poder público” de garantir “demanda mínima de 90% da capacidade do complexo penal, durante o contrato”.
“Esse é o grande exemplo de que os interesses por trás dos presídios privados são financeiros e econômicos. Isso para não dizer escusos! O Estado vai ter que prender mais pessoas, para manter a unidade 'funcionando'”, afirma Deyvid Tadeu Livrini, coordenador estadual da Pastoral Carcerária de São Paulo.
O coordenador também afirma que o argumento de que as prisões privadas são mais “baratas e eficientes” é falso. “A maioria das pessoas que usa esse argumento diz que o nível de reincidência é menor do que quem fica nas prisões do Estado. Mas nos contratos das empresas com o Estado está que a prisão privatizada vai acolher o preso que tem o potencial menos perigoso. E se um preso comete faltas graves, ele volta para uma prisão do Estado”, denuncia.
Custo
O relatório “Prisões privatizadas no Brasil em debate” feito pela Pastoral, em 2014, aponta que o custo de cada preso nas prisões privatizadas para o Estado é de R$ 3 mil; nas prisões estaduais, o custo é de R$ 1,3 mil.
Além disso, o tratamento e as condições nas prisões privadas são piores do que nas estaduais. “O preso na prisão privatizada tem menos contato com a família, porque as regras são muito mais duras. O dano psicológico, afetivo e humano é muito maior”, afirma Deyvid.
As entidades também apontam na nota que a privatização dos presídios significa transferir o poder punitivo do Estado para organizações particulares. Soma-se a isso o fato que os presídios privados contratam advogados para oferecer assistência jurídica aos presos, o que torna denunciar as violações que ocorrem nestes presídios difícil.
Uma carta dos detentos do presídio de Neves, divulgada em reportagem de 2014 da Agência Pública, relata as condições na penitenciária. “Quando pedimos atendimento medico eles nos conduzem ao isolado alegando que faltamos com falta de respeito com eles (…) eles tratam nós detentos como animais na jaula, os nossos tratadores vem e deixa a ração na hora que eles querem e vão embora e só volta quando tem que pagar a próxima alimentação”. Os detentos relatam também que muitas pessoas com penas vencidas continuavam presas.
“O preso, pela Constituição, está sob a tutela do Estado, que deve atender suas necessidades de saúde, instalações e jurídicas. O Estado não pode passar suas obrigações para a iniciativa privada, pois isso viola a Constituição”, conclui Deyvid.
Trâmitação
No final de setembro, o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 513/2011 foi inclído na pauta da Comissão Especial do Desenvolvimento Nacional, mas retirada durante o dia, a pedido do relator senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).

14 de out de 2015

Babaquice brasileira

Já faz alguns anos que penso que a babaquice do ser (ir)racional brasileiro não pode ser classificado cientificamente, quando o assunto em questão é política. E alie a isso o fato de política estar em tudo o que fazemos, vemos, ouvimos, respiramos. Afinal, a depender de uma disputa política, ou de uma vontade política, até o que você bebe não é o que você realmente bebe (veja o caso das cervejas, que hoje são produzidas no Brasil à base de milho).

Da mesma forma que não sabemos o que bebemos, também não podemos saber o que pensamos. Será que nossos conceitos são realmente nossos? E quando se trata de corrupção? De PT? De seletividade da mídia? De Juiz Moro?

Ontem, estava bem sentado num ônibus, me deslocando ao centro da cidade, quando um senhor, com vestes da antiga SUCAM (antiga por que não sei se ainda existe ou se era realmente da SUCAM o uniforme que ele usava) adentra o coletivo e senta-se ao meu lado. Com fala mansa e demonstrando insatisfação com o calor, ele tenta puxar assunto. Liberei-lhe um falso sorriso e ele entendeu. Minutos depois, ele retoma sua iniciativa de conversar. Era um senhor simples, de vocabulário pobre, mas rico em vontade de expressar sua opinião. E perguntou-me: “Você assistiu o jornal da GLOBO ontem? Viu o que aconteceu com aquela vagabunda? Sabe dizer se o STF vai deixar derrubar aquela nojenta? ”. Respondi-lhe, com uma única palavra que não. E ele continuou: “Mas nem o FANTASTICO você assistiu? ”, e já me julgava um completo desinteressado pelos rumos da nação pelo simples fato de eu não ter assistido o Jornal e o programa da GLOBO das noites anteriores. E desceu junto comigo, na Lagoa, relatando sua vontade e me questionando sobre o que pensava sobre a derrubada do governo: “Não vejo a hora dessa cachorra sair do governo. Você acha que ela cai? ”

Ultimamente tenho me reservado no direito de não responder a indagações sobre o Governo Federal. Até porque, nos rumos atuais, ninguém tem estômago para fazer defesa dele. A Política Econômica desses últimos meses tem afastado militantes, simpatizantes e até gente que faz parte, organicamente, do governo. Mas confesso que não resisti. Era muita pressão para eu me calar. E lhe me despedi do senhorzinho com duas perguntas que lhe fizeram procurar outra pessoa pra conversar: “Meu senhor. Não sei se o senhor tem idade suficiente, mas, se tem, deve ser do tempo em que um salário mínimo não passava dos R$ 120,00 e, após 8 anos de governo, chegou aos R$ 200 com muita dificuldade e luta. 1. O senhor lembra disso? 2. O senhor sabe quanto custava uma cesta básica naquele período? (R$ 82,50)

Ainda durante aquele governo, e em anos anteriores, multidões se humilhavam em filas nas portas da casa de cabos eleitorais de bairros, afim de receberem tickets que valiam 2l de leite. O subsídio do GLP foi tirado, fazendo o gás de cozinha mais que triplicar. O mesmo aconteceu com o combustível. As tarifas de telefonia subiram exorbitantemente ao ponto em que as Ações das operadoras despencaram.

Provavelmente ele não deve ter lembrança disso. Afinal, assiste à GLOBO todas as noites (exceto àquela sobre a qual me questionou). E talvez seu repertório de conhecimento nato só não seja maior por não ter interesse na leitura, fruto de uma política de Estado de décadas, e assim, não tenha visto VEJA.

Mas, o pior é o tratamento dispensado à uma Chefe de Estado. As palavras utilizadas por esse senhor não são nada perto das charges, caricaturas, vídeos e áudios que me chegam todos os dias via redes sociais. É tão hilária a posição política do brasileiro que, volta e meia ele quebra a cara. Ou ninguém percebeu que escolheram os piores e mais corruptos políticos da história recente para liderar o movimento anticorrupção? E o caso da estocagem de vento, que rende diuturnamente piadas vazias, tão vazias quanto às mentes de quem as produzem, e sobre um tema que sequer têm conhecimento? Não perceberam que estocar vento é tão possível que eles próprios já praticam isso dentro de suas cabeças?


De fato. A babaquice do brasileiro não é coisa para se perder tempo e dinheiro em pesquisas científicas. No máximo, é assunto para um texto rápido, como esse.

Para conhecimento

COMPARAÇÃO: CESTA BÁSICA/SALÁRIO MÍNIMO
abr/02 ago/15
SAL. MÍNIMO (R$)C. BÁSICA (R$)% SAL. MÍNIMO (R$)C. BÁSICA (R$)%
200 82,5 41,25 724,96 244,45 33,72
Fonte: http://www.ufsj.edu.br/dceco/cesta_basica.php

9 de ago de 2015

A classe média não é vilã. Mas é fantoche!

Enquanto esquentam as apostas sobre a derrubada do governo Dilma, as linhas do tempo do facebook aumentam a expectativa sobre o destino do país.

Mas nada chama mais a atenção do que os comentários dos médio-classistas sobre a problemática da política brasileira. E digo, se vestem até com bandeiras que, historicamente, tentaram queimar, como a do anti-preconceito contra negros, pobres e afins.

Ontem, uma amiga respondeu a uma publicação que compartilhei. A cena colocava uma jovem senhora, bem arrumada, batendo panela na sacada do seu apartamento. Ao lado dela, uma senhora mais velha, com trajes entre os de ir dormir ou o de ficar na sala assistindo novela (tipo aqueles que você usa em casa quando ninguém vai te visitar). Entre as personagens, um balão sugeria que a senhora seria a empregada doméstica do apartamento e a garota, a patroa, e ironizava que, enquanto a madame batia panela, ela, a empregada doméstica, ficava ali, de boa.

A resposta dessa minha amiga foi quase que um atentado contra quem é filho de ex-doméstica e atual doméstica (do seu próprio lar, agora). Ela me questionou porque a mulher, gorda e ‘mal’-vestida tinha que ser a empregada, e não a mocinha bonitinha do lado. E ainda sugeriu que eu, ou quem elaborou a postagem, era preconceituoso e burro.

Confesso que fiquei sufocado com colocação, mas, depois de passado o período sem ar, recuperei meus bons pensamentos e relaxei.

O fato é que ela se colocou enquanto classe média, defendendo a classe média, e insinuou que o atual governo, corrupto e mentiroso, estimula a sociedade contra eles, colocando a classe média (aff, quanta classe média nesse texto) como vilã de tudo de ruim que acontece no Brasil.

De fato, para muitos, é a classe média a grande vilã. É ela que, não sendo elite e não suportando ser comparada aos pobres, se comporta como se elite fosse e pisa nos seus subalternos. E isso não é coisa recente. Quem não perdeu as aulas de história ou leu a bíblia sabe da existência da luta de classes. Mas eu acredito que não é a classe média a vilã da estória. Ela não passa de um grande fantoche.

A briga lá em cima é feia. Mas é na classe média que a elite encontra o escape para suas empreitadas. Ela não é burra de se expor tanto. Existem negócios internacionais envolvidos. Muito dinheiro envolvido. Corrida por hegemonia científica, nuclear, bélica. Muita guerra de poder. E, convenhamos, não fosse a pressão do grande capital para que seus representantes aqui no país consigam, finalmente, terminar o processo de entrega de nossas riquezas, e a implementação das políticas impostas pelo FMI, que afloraram nesse momento na Grécia, por exemplo, onde o Estado não deve intervir em áreas públicas como educação e saúde, e que o dinheiro advindo de impostos, têm que ficar guardados para salvaguardar bancos em períodos de crise econômica, como na Grécia (por exemplo, de novo), o simples fato de não terem logrado êxito nas ultimas 4 eleições para a presidência da República, já era de se deixar qualquer tucano chateado.

Alie a isso que, sendo fantoche, e não sendo elite, muitos dos senhores da justiça, como o juiz Moro, muitos delegados de Polícia, Federal, principalmente, muitos funcionários de empresas privadas de comunicação, precisam mostrar trabalho, para manterem seus padrões de vida ali na quase faixa que os divide da tão sonhada elite, e que os mantêm afastados dos tão horrorosos pobres, que empestam as ruas com seus cheiros incômodos, suas cores incomodas, seus trajes incômodos.

Não fosse, também, só isso, nos últimos 14 anos, foi notória a invasão desses pobres e negros (e agora até essa onda de homossexuais) em espaços que, até então, só eram frequentados pelos médio-classistas branquinhos, limpinhos, cheirosinhos (e héteros).

A classe média, porém, não é só fantoche. Além de, ela também é vingativa.

Quem puxar pela memória, ou procurar por noticiários da era FHC, vai ver que, mesmo com tendências elitistas, a classe média derrubou o PSDB, seu partido mais-que-amigo, porque as coisas não iam bem. Nos 8 anos de governo de Fernando Henrique, a classe média perdeu tanto dinheiro, que decidiu apoiar uma guinada nos rumos políticos. Aguardou que o PT de Palocci e Dirceu expusesse suas políticas econômicas e pulou para dentro do cordão de isolamento desse novo bloco de micareta. Se vingou do PSDB. Ponto! E agora, em meio a um caos político, provocado pelo PSDB, resolveu apoiá-lo, porque se sente pressionada com tantas conquistas cedidas aos pobres que ela tanto odeia, mas finge amar como um filho bastardo, e, para voltar a ter algumas regalias, vai até o fim na nova investida dos Tucanos, pra derrubar o governo, por via de Golpe.

E é burra. Não consegue perceber um palmo à frente do seu nariz.

Tem como força motriz a bandeira da corrupção, e não percebe que a corrupção está enraizada em todas as esferas dos governos, nos três níveis. E que só vai trocar 6 por meia-dúzia. Ela, a classe média, sequer se pergunta: quem vai assumir o governo depois disso?

É burra novamente. Mesmo com a cessão de tantos benefícios para as classes historicamente esquecidas, o governo movimenta dinheiro dentro do país. Não fosse o bolsa-família e os programas de acesso e facilidades do governo, por exemplo, seu Mariano, da farmácia ao lado, não venderia tantos medicamentos. Não compraria dos laboratórios que, por sua vez, não teriam razão de existir. Sem ter nada a ver com isso, as ‘elites’ políticas, idóneas e preocupadas com o futuro da nação, respondem, única e exclusivamente aos investidores estrangeiros. Alguém ai, de cabelo liso e pele clarinha sabe o que isso significa?

E continua sendo burra. Visando atender ao povo, e dinamizar a ‘coisa pública’, o governo investiu no setor público. Nunca se criou tantas vagas em concursos como nos últimos anos. E com um governo entreguista? E com a privatização das instituições de ensino federais? E com a aprovação da lei de terceirização? E com a venda da Petrobrás e o fim dos ‘royalties’ do pré-sal?

Por fim, para entender como se comporta a classe média no brasil, aconselho até que faça uma análise do personagem do ator paraibano Luiz Carlos, na novela da Globo ‘Além do Tempo’. Ele é o retrato dos médio-classistas temporizado no período que marcou o fim(?) da escravidão no país.

15 de jun de 2015

Vivi, mas não quero que vivam!

No último domingo, 14, tive a felicidade de ser convidado para um evento promovido pela Sólida Imóveis, no Clube dos Médicos, onde a grande atração do dia era a cantora paraibana Elba Ramalho. De cara aceitei o convite feito por um corretor da imobiliária.

Foto retirada de:

http://acontecesantyago.blogspot.com.br
A coisa tava boa. Um trio pé-de-serra pra animar o evento, um buffet caprichado e, de repente, lá pelas quatro da tarde, ela sobe ao palco. Ai, meu amigo, o negócio esquentou.

Estávamos em grupo de quatro pessoas. E curtimos bastante. Até que, num determinado momento, Elba começa a agradecer a presença de todos e o convite para estar ali e, como que lendo um script do teleprompt do JN, começa a vomitar coisas que lhe angustiavam.

De repente me vi em meio a um editorial de jornal (ou revista), cujos diretores deveriam ser William Bonner e Marco Feliciano, com textos transcritos de falas do Arcebispo da Paraíba, Dom Aldo, com comentários de Jair Bolsonaro. E o excreto vomitado tinha de tudo: do contra-aborto (pela vida) até um feroz ataque à investida de minorias GLBTs, quando da conquista de alguns direitos (que nem conquistaram ainda).

Elba, católica, devota de Nossa Senhora, como insiste em dizer a cada show, também não poupou ofensas ao governo (num disse que tinha dedo do JN aí?). Como quem ouviu falar e interpretou do jeito que Arnaldo Jabor mandou interpretar, criticou o governo federal pela tentativa de atacar o modelo de família que ela, e milhões de fanáticos religiosos fundamentalistas, acredita ser o único concebido por Deus, que até hoje (pensamento meu) prova não ser o ideal. Tanto não é que ela própria já fez e desfez duas famílias, sem querer entrar no mérito de rebaixar a sua imagem, mas necessitando colocar isso para mostrar que ninguém tem o direito de julgar a vida alheia, por mais fundamentalista que seja a sua religião (e não a bíblia – já leu?).

Com o clamor de parte do público, aplausos e gritos de ‘é isso ai!!”, a cantora encontrava eco para suas palavras de ódio camufladas numa carinha de preocupação com um futuro cada vez pior.

Como disse, atacou o direito ao aborto e incitou o medo nos pais por uma proposta do governo de dar direito a, segundo ela, criancinhas de 5 anos mudarem de sexo, se assim desejarem.

Nesse último ponto, talvez Elba se referisse ao projeto de lei dos deputados Jean Willys e Debora Kokay, que, no art. 5º, prevê que, em casos de menores de idade que queiram realizar mudança de identidade de gênero (motivo da PL), com consentimento e por requerimento de responsáveis legais, isso possa ser realizado. Obviamente, a mídia e seus alto-falantes personificados (atores, cantores, jogadores e outros ores) deturparam a proposta, inflamando que o governo (e nem foi o governo, foram dois deputados) quer mudar o sexo de criancinhas indefesas. Veja só! Não sei se foi isso que ela quis dizer, mas foi exatamente isso que eu entendi. E foi isso que, recentemente, apareceu na minha linha do tempo nas redes sociais. Elba chegou a comentar que pela lei, se um filho quiser brincar de boneca, os pais não poderão proibir. Mostrou muita preocupação quando disse que o Brasil estaria virando uma Cuba. Arriégua!!!

Elba Ramalho nasceu num Estado pobre. Se deslocou para o sudeste do país na busca de sua realização pessoal. Enquanto mulher, foi baterista, fez aborto (embora diga que se arrependa disso), subiu aos palcos e fez parte de grupos feministas num período de descriminalização ferrenha contra o seu sexo. E alcançou o seu espaço. Tinha tudo para abraçar a causa das minorias, justamente por ter sentido na pele (ou não) as dificuldades e preconceitos de grupos criminalizados pela mídia de massa e pela própria massa. Mas, talvez por uma questão de sobrevivência midiática, optou por estar do outro lado. Do lado dos opressores.

Assim, Elba Ramalho, que canta em carnavais, que encanta nossa cultura e nossos regionalismo, que fez aborto na década de 1970, que casou, separou, casou de novo, que se fez renomada no meio artístico tão cheio de criancinhas crescidas que não puderam fazer opção pela mudança de registro de identidade de gênero, que conhece casas de famílias não-tradicionais onde o amor e a solidez são tão mais forte quanto, por exemplo, nas duas famílias que ela construiu, que posou pra revista masculina, que tatuou o corpo, por ter vivenciado isso tudo, prefere negar que outros tenham o mesmo direito à vida que ela teve. E que, diga-se de passagem, foi uma vida muito bem vivida.