1 de jun de 2010

003 - Jaguaribe!

Estava saindo de minha casa para ir ao Caixa Econômica do antigo CEFET, em Jaguaribe, e uma dúvida me seguia: devo ir direto, num ônibus circular ou vou até o terminal de integração e pego o 003 – Jaguaribe?


Como sempre, fiz uma pequena reflexão antes de tomar a decisão. De certo não tinha muito tempo, mas, consegui lembrar de uma tal reunião, em 2005, quando ainda era presidente do Grêmio do CEFET, hoje denominado IFPB. Essa reunião aconteceu na STTrans, há anos solicitada para discutir melhorias na linha que cobre a região do centro de ensino Federal e uma possível intervenção junto à AETC-JP para a criação de um posto de venda de bilhetes (vales e tickets) dentro do prédio da escola. Estavam presentes uma diretora da escola, o presidente do DCEFET da época, o superintendente, Deusdete Queiroga, e eu.


Na ocasião, indaguei sobre a diferença de tratamento da empresa MARCOS DA SILVA em relação à disposição de ônibus novos e em grande quantidade para o Cabo Branco, bairro nobre da orla da Capital, e a escassez de veículos em Jaguaribe, bairro antigo, grande, e não da alta classe, no máximo “médio-à-baixo”, e ainda recheado de pessoas idosas (não pagam passagem) e estudantes (pagam meia-passagem). Para completar a pergunta, relatamos que os quatro ônibus que circulavam por lá mais pareciam latas de lixo, empestadas de baratas e quebrando a cada viagem. Na verdade havia apenas dois ônibus e meio, por que dos quatro um não rodava mais e outro era o que quebrava várias vezes. Como resposta, ouvimos que a linha que cobre o bairro nobre é grande e necessita de ônibus novos e em grande quantidade para que, numa possível falha de algum desses veículos, a reposição seja feita em tempo hábil de forma a não prejudicar os passageiros. Quanto à idade dos ônibus da linha 003 o Superintendente informou que a STTtrans trabalhava com uma política de substituição dos carros de todas as empresas e que em alguns anos toda a frota da cidade teria idade média de 3,5 anos, incluindo Jaguaribe.


Após o raciocínio decidi que pegaria o 003 e fui até o terminal de integração. Não estava atrasado, mas queria chegar cedo à Caixa. Assim que desci de um ônibus, o Jaguaribe apareceu. Pura sorte ou o problema de Jaguaribe havia sido resolvido?


Entrei no ônibus, nada confortável, antigo, ano 2000 (dez anos), ainda sujo, cheio de inseto e, ao entrar numa avenida, já próximo ao Centro Administrativo do Estado, adivinhem! Quebrou! Mais um tempo esperando a tal reposição, já que pela lógica apresentada pelo Superintendente a linha é pequena e não deve demorar muito..., 10 minutos depois e lá vem! Outro antigão, mais velho que o que quebrou. Entrei, já estava cheio, não havia mais onde sentar e, o que aconteceu mais adiante? Enhim? Não sabe? Ele não quebrou e eu finalmente cheguei ao meu destino.


Agora, só mais uma coisa que ficou na minha mente até hoje! Se a linha 507 - Cabo Branco é grande e necessita de ônibus novos e em grande quantidade, por que a linha 520 - Altiplano, que é maior, também da mesma empresa, é tão velho e tão raro de se ver quanto um cometa? Alias, 003 e 520 podiam ser chamadas de Halley.


Leia também:

Jaguaribe é eleito a pior linha de ônibus

PB Agora, 04 de fevereiro de 2010

6 comentários:

Fabiana Brito disse...

Putz eu sinto na pele isso, pois costumo pegar o 520 para resolver alguns assuntos do meu trabalho. É terrível a situação do 520 - detalhe corta uma das principais avenidas de jp BEIRA RIO. demoraaaaa a bessa.

David Soares disse...

Putz! Que azar hein? rsrs

Na verdade seu texto reabre um debate sobre a mobilidade urbana em João Pessoa. De certo, a demanda no velho Jaguaribe não é tão grande como em outras regiões da cidade em que a demora do transporte coletivo é a mesma ou pior.

Todos o ônibus que vêem do corredor 1 (Cruz das Armas) e do corredor 2 (Rangel - 02 de fevereiro) passam por Jaguaribe e isso pode e deve ser aproveitado de alguma maneira.

A proximidade com o centro e a grande quantidade de veículos deixa a linha menos atrativa também. Então, se mais ônibus colocados sem um prévio estudo sobre as demandas da linha - IFPB por exemplo - corre-se o risco de ficarem todos subaproveitados.

Um bonde elétrico - mais rápido, ecologicamente correto e confortável - poderia cobrir Jaguaribe, Roger e até mesmo Cruz das Armas, como era antigamente.

A linha de trem entre Cabedelo e Sta Rita pode ser transformada em linha de VLT e outra linha desta pode ser feita por uma ramal do Alto do Mateus, margeando a BR 101 e chegar aos conjuntos da zona sul. Enfim, existem muitos projetos, mas João Pessoa precisa urgentemente de metrô de superfície.

Essa proposta foi ridicularizada por Ricardo Coutinho em 2004. O mesmo Ricardo Coutinho que recebeu apoio dos empresários de ônibus (João Pessoa é toda apenas por ônibus movidos à diesel!!) com aumentos sucessivos e acima da inflação nas tarifas.

O mesmo Ricardo Coutinho que deixou o famoso Quem em seu lugar na prefeito. O famoso quem, Luciano Agra, disse recentemente quando foi proposto pelo governo do Estado a criação de um metrô que João Pessoa não precisa de metrô e sim de transporte de massas. Cacete, metrô é o que?

Entre o Crato e o Juazeiro do Norte do Ceará, que somados não têm a população de João Pessoa e grande João Pessoa, já se anda confortavelmente em veículos leves sobre trilhos.

Lucio Flavio disse...

Fala george, velho, qnd morava la em jaguaribe sofri inumeras vezes com esse onibus, tanto com ele quebrando qnt com a demora e a lotaçao, sempre com o descaso por parte da empresa responsavel pra com essa linha! Infelizmente como se trata de um bairro q nao eh de classe alta isso acontece. No mais os usuairos da linha deveriam fazer algum movimento, como um abaixo assinado, para que haja a melhoria da msm! Pelo seu depoimento, a linha nao mudou nada desde a epoca q me mudei de jaguaribe, tbm em 2005!
parabens pelo post.

George Martins disse...

David:
Todos o ônibus que vêem do corredor 1 (Cruz das Armas) e do corredor 2 (Rangel - 02 de fevereiro) passam por Jaguaribe e isso pode e deve ser aproveitado de alguma maneira.

A proximidade com o centro e a grande quantidade de veículos deixa a linha menos atrativa também. Então, se mais ônibus colocados sem um prévio estudo sobre as demandas da linha - IFPB por exemplo - corre-se o risco de ficarem todos subaproveitados.

Eu:

Filho, as linhas dos corredores 01 e 02 passam pela Vasco da Gama, um tanto longe do CEFET (IFPB) e dos moradores vizinhos ao mercado de Jaguaribe.

São constantes os relatos de estudantes e moradores assaltados durante o deslocamento das imediações do mercado até a Vasco da Gama para pegar um ônibus.
ainda na ocasião da reunião, indicamos um levantamento, um estudo para alterar o intinerário de alguns onibus vindo do Rangel e de Cruz das Armas, que passaria por tras do IFPB, ao lado do mercado, o que diminuiria os transtornos causados pela problemática do 003.
Esse estudo nunca foi realizado, pelo menos não que eu tenha conhecimento ou que tenha sido empregado até hoje.

Quanto ao metrô, bonde ou trem, ouvi numa fala do executivo municipal que estes nao correspondem à transporte público, que tem que se investir em onibus urbano, e dai por diante. Não sei de onde ele tirou isso, mas, ele está com a caneta, a priori.

Lúcio, realmente não mudou. senti na pele hoje!

carol disse...

triste de quem depende do 003

:P

Fellipe disse...

Muito boa George!!!Acrescentaria, ainda, a essa lista, que praticamente só é vista no papel o 508 PENHA! Que circula em alguma hora de algum dia pela epitacio indo até a penha